Ortopedia

Fraturas

Em decorrência do trauma, é importantíssimo que seu cão ou gato seja avaliado o mais breve possível e seja checada a ocorrência de outros traumas concomitantes. Raramente uma fratura pode ser considerada um tratamento cirúrgico urgente, mas as consequências dela sim, por exemplo: hemorragias, traumas torácicos, injúrias neurológicas, rupturas de órgãos internos, entre outros.

O que podemos observar

  • Paralisia ou paresia
  • Extrema fraqueza ou depressão
  • Dificuldade no respirar
  • Desconforto abdominal ou depressão
  • Mudança do “status mental”, ou alteração comportamental

Diagnóstico

  • Exame clinico, e histórico médico;
  • Radiografias da região afetada e se necessário de tórax e abdômen, e também ecografia abdominal;
  • Exames laboratoriais podem ser requeridos.

Tratamento

Dependerá muito da situação clínica do cão ou gato, mas normalmente a estabilização temporária, quando possível, deverá ser feita. Após a estabilização do paciente, o tratamento definitivo poderá ser executado e dependerá de alguns fatores:

  • Tipo de fratura e duração (tempo decorrido do trauma);
  • Localização da fratura;
  • Presença de múltiplas fraturas em ossos diferentes;
  • Idade do paciente;
  • Condição clínica.

A cirurgia é o método mais comum e eficiente para a maioria das fraturas em cães e gatos, promovendo um retorno às funções num período mais breve.

Cuidados Pós-operatórios

Temos que levar em conta um fator importantíssimo: o paciente (cão e gato) não entende a natureza do trauma ou injúria e muitas vezes não se limitam ou poupam a área operada ou traumatizada. Com isto, já estamos em desvantagem.

A limitação do espaço e o confinamento são de extrema necessidade do paciente pós-operado. Estas restrições duram em média quatro a seis semanas e, se bem conduzidas, o sucesso e o retorno a normalidade funcional é garantida.